Desafios e oportunidades da comunidade técnica em tempos de isolamento social

Na faculdade, encontramos um ambiente propício para compartilhar nossas experiências e vivências, principalmente por estarmos convivendo com pessoas que estão, em sua maioria, em um momento parecido com o nosso. 


No entanto, ao finalizar o curso e entrar no mercado de trabalho, nos deparamos com outras diversas necessidades e, sem termos mais o auxílio que tínhamos dentro de uma instituição de ensino para trocar conhecimentos, nos vemos na necessidade de algum outro ambiente que nos propicie o compartilhamento de ideias – e é aí que entram as comunidades técnicas. 


Uma comunidade é, de forma resumida, a união de diversas pessoas por alguma motivação em comum. No caso de tecnologia, pode ser tanto o compartilhamento do conhecimento de alguma linguagem específica, como também histórias sobre desafios que foram superados no desenvolvimento de algum projeto, ou até mesmo experiências de carreira. 

A área de tecnologia é uma das áreas com maior número de comunidades existentes.


Entre os trabalhos desenvolvidos por comunidades de tecnologia, podemos citar alguns exemplos:

  • ​Organização de meetups em empresas de tecnologia que disponibilizam seu espaço e fomentam o ecossistema. Meetups são eventos onde palestrantes, voluntariamente, compartilham o seu conhecimento sobre um tema e o público interage, trocando experiências sobre as vivências em outras empresas e tirando dúvidas; 
  • Workshops e bootcamps, que possuem um foco mais prático ao invés de uma abordagem teórica de palestras (como seriam em meetups), envolvendo um grande esforço de planejamento e estruturação de conteúdo por ser mais focado em trabalho “mão na massa”;
  • Conferências, eventos maiores e ocorrem com menor frequência devido ao planejamento e infraestrutura e podem unir todos os tipos de contribuição citados acima; Geralmente, uma conferência conta com uma estrutura de apresentador, trilhas e milhares de pessoas que assistem ao conteúdo de várias formas.
  • Publicação de artigos, que é uma forma escrita de contribuição onde, de forma voluntária, participantes da comunidade escrevem fazendo algum tutorial ou explicando ferramentas, ou até mesmo compartilhando alguma dica ou experiência com seus leitores; 
  • Streaming de lives, onde, em tempo real, uma pessoa da comunidade (chamada de host) é responsável por se reunir com pessoas convidadas para falar sobre algum tema. Neste tipo de conteúdo há uma forte interação com o público (que pode enviar perguntas e também debater sobre o assunto junto aos próprios participantes da live); 
  • Gravação de podcasts, onde participantes também se reúnem (similar ao contexto de lives) mas o conteúdo é entregue em formato de áudio é dividido em episódios, ficando disponível ao público sempre que este desejar ouvir – e onde quiser. 

Todas essas formas de compartilhamento visam um único ponto: transformar e impactar a vida das pessoas que participam e promover a influência, de forma positiva, na carreira de tecnologia dos que presenciam.  


Desafios em 2020

Com a atual situação de isolamento social que estamos vivenciando, vemos toda a sociedade tomando diferentes atitudes e precisando adotar medidas inovadoras para continuar seguindo com seu propósito, sem o mesmo contato e a parte presencial às quais estávamos acostumados antes – e as comunidades técnicas não ficam fora disso. 


Um dos maiores desafios está relacionado à primeira forma de contribuição, os meetups presenciais. Esse tipo de conteúdo precisou sofrer uma pausa justamente como forma de prevenção e responsabilidade, visando que todas as pessoas estejam seguras e longe de qualquer possibilidade de contato.  


Essa era uma das partes mais interessantes das comunidades, pois era através desses meetups que muitas pessoas se conectavam e o networking acontecia de forma natural, trocando experiências sobre carreira e permitindo que pessoas que antes estavam desempregadas tivessem contato com outras empresas e conseguissem se recolocar no mercado.  

Tais encontros, agora sendo feitos estritamente online, continuam sendo agregadores de conhecimento, mas o contato que o presencial gera continua sendo de grande importância e faz falta para todos que estão acostumados com a interação rica que está presente nesse tipo de atividade. 


Partindo para um outro desafio, este dentro do online, está no cuidado da informação que é transmitida. Estamos todos em meio a um enorme volume de informação, todos os dias, horas e minutos. O clima não é dos mais fáceis, e lidar com qualquer fonte em meio a essa situação não é tarefa simples.

E, com esses pontos em vista, vê-se também uma grande janela aberta para transformar a vida das pessoas. Pessoas estas que estão passando pelas mais diferentes situações – muitas buscando recolocação em meio à crise, muitas buscando se reinventar e outras pensando em formas de aprender ainda mais – uma grande oportunidade para as comunidades técnicas, que devem sempre buscar por auxiliar cada pessoa intrinsecamente. 


Por serem focadas em tecnologia, a maioria das comunidades já tinham atividades online antes de precisar dar mais atenção para esta plataforma. Agora, temos um número grande delas fazendo lives auxiliando pessoas no início de suas carreiras em tecnologia e tirando dúvidas de quem busca ajuda.  


Nesse meio vale usar a criatividade – pode-se fazer uma mesa–redonda, onde diferentes profissionais compartilham suas experiências e interagem com o público, assim como eventos que ocorrem durante alguns dias com várias palestras gravadas previamente e publicadas em conjunto.  


Também é possível escrever artigos, uma das formas mais utilizadas para compartilhar sobre algum conteúdo aprendido que pode servir para alguém, e até mesmo mentorias, que são mais individualizadas e provaram-se muito úteis para auxiliar pessoas que estão dando o pontapé inicial na carreira, prontas para serem norteadas por alguém que já trilhou aquele caminho algum dia e sabe onde estão os principais obstáculos. 


Com isso, as comunidades firmam ainda mais sua presença online. Esse meio, diferente do presencial, é capaz de levar a informação ao alcance de muito mais pessoas, podendo chegar a lugares que não imaginávamos que chegariam.  


Uma comunidade que, antes era local, agora consegue impactar todo um país e pode ajudar alguém de outro estado – ou até mesmo outro continente. Podemos pensar nisso como uma grande oportunidade para impactar ainda mais e em como a tecnologia – que é tão presente em nossas vidas – é parte fundamental nisso. 

Fonte: Blogs de Indústria da Microsoft

Cadastre-se para receber nossas dicas, novidades e promoções.

Nome
E-mail*
Cadastrar
Saiba mais sobre a nossa

Parceria com a Microsoft.

A Big Brain Education é a principal parceira da Microsoft na América Latina focada em transformação e tecnologia educacional.


Desenvolvemos soluções e projetos que visam provocar, transformar e empoderar o ambiente de aprendizagem. 

Com vários cases de sucesso espalhados por todo o Brasil, nos mais diversos âmbitos educacionais, a Big Brain, tem se posicionado ano a ano como parceiro GOLD Microsoft - selo de excelência que conquistou através da construção de projetos incríveis e extremamente relevantes, dentro das instituições de ensino.

Por dois anos consecutivos, a Big Brain foi escolhida pela Microsoft como parceiro do ano na América Latina. O selo AEP Gold (parceiro de educação),
é um prêmio que demonstra nossa constante evolução e inovação, sempre buscando a sinergia entre os processos pedagógicos e tecnológicos.

Microsoft